19 de abr de 2008

Magistral da Hebraica - acabou

Como é que a gente fazia quando não existia a internet? Bem, muita gente por aqui não viveu essa época e não tem a menor idéia do que é esperar 6 meses pra ver as partidas dos principais torneios no Informador ou em alguma revista especializada. Hoje é só ligar o computador, acessar a internet e ver os principais torneios do mundo "on-line" e... reclamar um pouquinho com a organização para colocarem as partidas e resultados no site. Et voilá! Mais ainda: se eu quiser detalhes de bastidores vou nos blogs de alguns dos participantes e tenho até o clima do torneio. Eu passei muito tempo com inveja dos argentinos pelos torneios que aconteciam em Buenos Aires ou Mar del Plata. Era comum ver o resultado de alguns torneios aqui no Brasil e não ter acesso a nenhuma das partidas. As más línguas chegavam a dizer... bom, não interessa o que as más línguas diziam. Isso é coisa do século passado.
Uma característica interessante desses torneios, particularmente esse d'A Hebraica, é o fato de todos terem algo a perder, o que motiva todos a darem o máximo pela vitória. Os GMs tinham uma pontuação altíssima a defender, o que os obrigou a mostrar toda a sua técnica em todas as partidas. Isso inclui não dar murro em ponta de faca (posições sem futuro contra esse time de fortes jogadores devem ser jogadas só mais um pouquinho e pronto. E mesmo isso aconteceu poucas vezes). Os outros jogadores estão atrás da ambicionada norma de GM. Cada ponto vale ouro. Isso tudo contribui para a emoção constante nas partidas. Vale lembrar que, para mim, um empate bem jogado é tão interessante quanto uma bela vitória.
Bem, o fato é que acabou e nossos heróis não conseguiram a norma, apesar de terem passado muito perto (caso do Krikor). E jogando de igual para igual com os GMs (que, sem dúvida, ainda estão em outro patamar). Só temos que dar os parabéns à Hebraica, aos organizadores que além de promover o torneio, ainda disponibilizaram as partidas na internet, e aos jogadores, que foram as estrelas do espetáculo. E que os órgãos oficiais do xadrez se acostumem a promover torneios como esse e a divulgá-los como se deve. Quem estiver interessado pode ver os resultados no site oficial, ou nos excelentes comentários do Krikor e do Coelho.
Obs.: Impressionante como muitos organizadores interrompem a divulgação, mesmo que só dos resultados, bem no final das competições. E isso é regra. É lastimável o fato de as Federações responsáveis, mesmo com todas as facilidades existentes atualmente, deixarem de divulgar, durante o evento, os resultados e partidas dos maiores torneios do Brasil que são os Jogos Abertos, principalmente em São Paulo e Santa Catarina (e não só da categoria principal, quando existir. O Brasil já tem mais que 4 ou 5 bons jogadores). Não há desculpa para isso.

Nenhum comentário: